Origem do Natal

01/12/2010 15:30

 

 

Qual é a origem da celebração do Natal em 25 de dezembro, do uso da árvore de Natal e da memória à pessoa chamada Noel (Nicolas, ou Nicolau)?

É errado que os cristãos celebrem o Natal?

Existem muitas versões diferentes, para responder a esta pergunta, de maneira que fica até mesmo difícil saber o que é verdade. Parte do que você vai ler aqui, é uma adaptação de um conteúdo extraído do livreto “Ilumine seu Natal”, de autoria de Marcos de Benedicto, da Editora Casa Publicadora Brasileira e também apresentado, temporariamente, na seguinte página de internet: http://www.presentedenatal.com.br/papai_noel.htm . Jesus nasceu no ano 4 ou 5 a.C. O dia certo ninguém sabe. A Bíblia não menciona o dia, nem o mês, possivelmente para evitar a idolatria de uma data.  A Bíblia informa que, quando Jesus nasceu, os pastores estavam no campo com suas ovelhas. Pois bem, de março a meados de novembro, eles talvez pastoreassem à noite; mas dificilmente dormiriam ao ar livre no mês de dezembro, que é a estação fria na Palestina. Isso reforça a tese de que o Natal pode estar em dia errado. Nos primeiros séculos, o Natal foi celebrado em 25 de março, 6 de janeiro (na festa das  Epifanias, no Oriente) e mesmo em 25 de dezembro. A última data, porém só se firmou no quarto século, numa cristianização da grande festa mitraico-pagã Natale Solis Invicti (nascimento do Sol invencível). Na época, havia várias festividades situadas no solístico de inverno, em dezembro, como a Saturnália dos romanos e os cultos solares dos celtas. Foi o papa Júlio I que optou pelo dia 25. Isso teria acontecido por volta de 336. A data pegou primeiro no Ocidente, depois no Ocidente. Muitas pessoas questionam se os cristãos devem comemorar o Natal. O teólogo Orígenes já advertia que o nascimento de Cristo não deve ser festejado “como se fosse um faraó”. Que devemos comemorar a data, a maioria concorda. A ressalva é quanto à maneira de fazê-lo. Num sentido mais profundo, a comemoração do Natal só é real quando abrimos o coração para o amor e a vida; abandonamos a crítica destrutiva; adotamos um espírito perdoador; promovemos a justiça e a paz; oferecemos o ombro aos que choram; esquecemos o eu e dizemos para Cristo viver em nós.” O natal é uma oportunidade de refletirmos sobre o quanto Cristo está vivo em nossos corações, é tempo de renovarmos nossa entrega a Ele e, principalmente agradecermos ao Nosso Maravilhoso Deus por nos ter dado Seu Supremo Filho, Emanuel, Deus Conosco. Portanto, hoje celebramos simbolicamente o Natal em 25 de dezembro, mas esta não é com certeza a data em que Cristo nasceu. Como já foi dito dezembro é estação de inverno no hemisfério norte, onde não encontraríamos nenhum pastor cuidando do rebanho ao ar livre, como descreve o relato bíblico, e época também em que o Imperador não exigiria que houvesse um censo que obrigasse as pessoas a viajarem em pleno inverno. Contudo, não é pecado celebrar o Natal em 25 de dezembro ou em qualquer outro dia. Na verdade poderíamos e deveríamos celebrar e viver o espírito do Natal todos os dias do ano.
A árvore de Natal,
É uma tradição alemã. Surgiu, talvez, com Martinho Lutero (1483-1546), o pai do protestantismo. Diz-se que, andando pela floresta numa noite de Natal, ele viu as estrelas brilhando por entre os galhos cobertos de neve dos pinheiros; impressionado, teve a idéia de iluminar um galho com velas, dentro de casa, para alegrar os filhos. A idéia pegou, e a árvore virou símbolo do Natal em todo o mundo. Há quem diga, também, que ela foi adotada para substituir os sacrifícios ao carvalho sagrado de Odin; e quem a considere uma reminiscência da “árvore do paraíso”.

“A História do Papai Noel

O Papai Noel nem sempre foi como o conhecemos hoje. No início da história do Natal cristão, quem distribuía presentes durante festividades natalinas era uma pessoa real: São Nicolas. Ele vivia em lugar chamado Myra, hoje Turquia, há aproximadamente 300 anos d.C. Após a morte de seus pais, Nicolas tornou-se padre. As histórias contam que São Nicolas colocava sacos de ouro nas chaminés ou os jogava pela janela das casas. Os presentes de natal jogados pela janela caíam dentro de meias que estavam penduradas na lareira para secar. Daí a tradição natalina de pendurar meias junto à lareira para que o Papai Noel deixe pequenos presentinhos. Alguns anos depois, São Nicolas tornou-se bispo e, por esse motivo, passou a vestir roupas e chapéu vermelhos e barba branca. Depois de sua morte, a Igreja nomeou-o santo e, com o início das celebrações de Natal, o velhinho de barba branca e roupas vermelhas passou a fazer parte das festividades de fim de ano.

Papai Noel atual: como foi construída sua imagem

O Papai Noel que conhecemos hoje surgiu em 1823, com o lançamento de “Uma visita de São Nicolas”, de Clement C. Moore. Em seu livro, Moore descrevia São Nicolas como “um elfo gordo e alegre”. Quarenta anos mais tarde, Thomas Nast, um cartunista político criou uma imagem diferente do Papai Noel, que era modificada ano a ano para a capa da revista Harper’s Weekly. O Papai Noel criado por Nast era gordo e alegre, tinha barba branca e fumava um longo cachimbo. Entre 1931 e 1964, Haddon Sundblom inventava uma nova imagem do Papai Noel a cada ano para propagandas da Coca-Cola, que eram veiculadas em todo o mundo na parte de traz da revista National Geografic. E é esta a imagem do Papai Noel que conhecemos hoje.” Ressaltamos, contudo, que a Bíblia não faz nenhuma menção sobre este personagem, mesmo porque na época de Cristo ele não existia. Assim também, a questão de santos (pessoas canonizadas pela Igreja Católica) e adoração à estes não é bíblico.
Concluindo
Nós cristãos, não veneramos a data de 25 de dezembro como sendo um dia santo – é apenas um feriado, com um motivo especial. Da mesma forma, não consideramos que a árvore de Natal seja um objeto sagrado, e tampouco adoramos a pessoa de São Nicolau. Mas também não há porque ignorar o nascimento de Jesus.             Como citado no primeiro parágrafo, ninguém tem provas verídicas para afirmar categoricamente como realmente iniciou-se cada motivo da comemoração que hoje temos em 25 de Dezembro. Além da versão apresentada aqui, há inúmeras outras. Logo, o que temos hoje é uma tradição cristã, que foi sendo moldada através da história, de, neste dia, lembrarmos que, um dia, Jesus nasceu nesse mundo. Uma vez que esta é a associação mental que a atual sociedade tem quando olha para os motivos do Natal, independentemente de sua origem, tais símbolos passam a ser nobres, pois não há mistificação em simples matérias físicas. Por isso os usamos como uma oportunidade de dizer ao mundo que nos alegramos pelo fato de Cristo ter vindo aqui, para nos salvar.
Portanto, alegre-se nessa data, e… antecipadamente,  Feliz Natal!!!!!

É errado que os cristãos celebrem o Natal?

O Natal, é uma data convencional e não um mandamento bíblico. Cristo nasceu na realidade no mês de setembro ou outubro, que é outono no hemisfério norte. Nós poderíamos celebrar o nascimento de Cristo em qualquer data, pois não se trata de um dia santo; inclusive, deveríamos celebrar o espírito do natal todos os dias do ano. Contudo a data do Natal não é importante, mas sim a atitude de nossos corações ao celebrarmos esta data. É como celebramos o Natal que agrada ou desagrada o Senhor. Sendo que é celebrado ao redor do mundo é uma maravilhosa oportunidade para testemunharmos do que Jesus, a luz do mundo representa para nós. Comemorar o Natal, em si, não tem nada de errado. Mas o modo como o celebramos pode tornar-se errado.

Por exemplo:

-          Enfatizar demais a figura do Papai Noel não faz bem a nossos filhos;

-          Valorizar apenas o ato de ganhar muitos presentes;

-          Exagerar nos alimentos ingeridos;

-          Extravagância nos gastos;

Embora alguns cristãos não concordem com a celebração do Natal não encontramos na Bíblia nenhuma proibição contra a comemoração do mesmo. Utilizar as belezas de uma árvore (criada por Deus), decorá-la e utiliza-la no Natal em si mesmo nada tem de idólatra ou pecaminoso. Mas como todos os fatores culturais deve ser avaliado se a maioria da comunidade está se beneficiando desta prática ou não.

Pr. Valdeci Junior

Fonte: nasaladopastor.com